15 histórias de ficção científica

15histfc[fc4]
Selecção: Bertrand Solet / Maria Adelaide Couto Viana

Editora: Verbo

Colecção: 15

Número: 38

Contos:

  • Ressurreição de um coronel – Edmond About
  • Uma fantasia do doutor Ox – Júlio Verne
  • Guerra interplanetária (in Uma história verdadeira) – Luciano
  • Faça você mesmo – Bertrand Solet
  • Barbo – Natália Correia
  • Prisioneiro do Épouvante (in Robur, o conquistador) – Júlio Verne
  • O canhão monstruoso (in Os quinhentos milhões da Bégum) – Júlio Verne
  • Uma história banal – Bertrand Solet
  • A chegada dos marcianos (in A guerra dos mundos) – H. G. Wells
  • É preciso matar o Spoq – Christian Grenier
  • A caverna do fim do mundo – Christian Grenier
  • O Nautilus (in Vinte mil léguas submarinas) – Júlio Verne
  • A mosca – Bertrand Solet
  • Um universo submarino – Christian Grenier
  • O socorro inesperado (in Histórias que minha mãe nunca me contou) – Avram Davidson

Comentário: Livro destinado a um público juvenil onde apenas se aproveitam os excertos / resumos de obras famosas.

Se o objectivo era despertar o interesse pela ficção científica, falhou redondamente. Qualquer pessoa minimamente conhecedora de FC conseguia escolher textos melhores. Uma nódoa numa colecção muito boa.

A segunda manhã do mundo

Autor: Manuel de Pedrolo

Original: Mecanoscrit del segon origen – 1990

Editora: Presença

Colecção: Viajantes no tempo

Número: 13

Comentário: Um ataque devastador elimina a humanidade e os animais. Arrasa também a quase totalidade dos edifícios.
Uma rapariga de catorze anos e um rapaz de nove escaparam ao ataque e vão lutar pela sobrevivência num mundo agora apenas povoado por aves e insectos.
Narrativa bastante realista, embora, por vezes, os protagonistas sejam mais parecidos com o MacGyver do que com jovens normais.
Impressionantes cenários de destruição.

Asimov e os Perseguidores da Lua

Autores: Júlio Emílio Braz / Patrícia Martins

Editora: FTD

Comentário: Os Perseguidores da Lua são um grupo de crianças de rua. Asimov é um pequeno robot “responsável” pelo grupo. E vão tentar ressuscitar um jogo há muito esquecido (basquetebol).
Situado entre a literatura juvenil, a ficção científica e o ensino das regras do basquetebol, o livro consegue ser bom em todos estes níveis.
Adequado para um público infanto-juvenil.