A. D. 2230

ad2230[fc4]

Autor: Amílcar de Mascarenhas

Original: 1938

Editora: Parceria A. M. Pereira

Comentário: A guerra aproxima-se. De um lado estão os Estados da América do Norte e a Confederação Europeia. Fruto da vitória do movimento feminista, ambas as superpotências são governadas por mulheres. Do outro lado está o Império Português. Governado por gémeos, compensa a inferioridade de recursos com a supremacia tecnológica.

Propaganda óbvia aos valores do regime salazarista, é um livro três em um, congregando habilmente ficção científica, aventura de espiões e romance de cordel.

Como exercício de futurologia, o livro falha em toda a linha.

Apesar de ignorar olimpicamente as leis da física, o autor revela talento narrativo e uma imaginação a roçar o brilhante, sendo o aeroporto de Lisboa (visível na capa) o expoente máximo das projectadas maravilhas do futuro.

As estrelas são nossas

galaxia04[fc4]

Autor: H. K. Bulmer (Kenneth Bulmer)

Original: The stars are ours – 1953

Editora: Rio Gráfica

Colecção: Galáxia

Número: 4

Comentário: Um cientista que inventou uma máquina de ver o passado é assassinado. Um jornalista, ao investigar o crime, descobre que os destinos da humanidade são, há milénios, conduzidos por robots alienígenas. Às dificuldades de convencer as autoridades soma-se o poder dos robots.

Leitura fácil, mas pouco se aproveita. Texto nada original e com tendência a resvalar para o disparate.

Pavana

Autor: Keith Roberts

Original: Pavane – 1968

Editora: Clássica Editora

Colecção: Limites

Número: 5

Comentário: Um mundo onde a Invencível Armada de Filipe II invadiu as ilhas britânicas. A Reforma e a Revolução Industrial não chegaram a acontecer. O Papa domina a Europa e boa parte do resto do mundo.
Uma primorosa descrição de um mundo anti-científico. Um dos melhores livros do género.

Um mundo novo

galaxia50[fc4]

Autor: Peter Kapra (Pedro Guirao-Hernández)

Original: Un mundo nuevo – 1969

Editora: Agência Portuguesa de Revistas

Colecção: Galáxia 2001

Número: 50

Comentário: Corre o ano de 1972. Os americanos e os soviéticos já têm bases na Lua e até colaboram uns com os outros.
Tudo pode mudar com a descoberta de uma cidade subterrânea onde vivem milhares de descendentes dos passageiros de um navio espanhol do século XVI.

Monstro mítico

galaxia07[fc4]

Autor: Peter Kapra (Pedro Guirao-Hernández)

Original: Monstruo mitico – 1975

Editora: Agência Portuguesa de Revistas

Colecção: Galáxia 2001

Número: 7

Comentário: A mais alta montanha de Vénus, guardada por um indestrutível monstro de três cabeças, esconde o segredo da vida eterna.
Vários aventureiros enfrentam inúmeros perigos e traições para obter o tão desejado grande prémio.

A República nunca existiu

Contos sobre um Portugal onde o regicídio de 1908 falhou.

Introdução: Octávio dos Santos

Editora: Saída de Emergência

Colecção: Bang!

Número: 43

Contos:

  • Seis momentos em tempo real – João Aguiar
  • Missão 121908 – Luísa Marques da Silva
  • O nome do rei – Bruno Martins Soares
  • A lombada do Moleskine – Luís Bettencourt Moniz
  • A marcha sobre Lisboa – Octávio dos Santos
  • Primos de além-mar – Gerson Lodi-Ribeiro
  • D. Amélia: mini-peça em dois actos – Miguel Real
  • O patriota improvável – Maria de Menezes
  • Ao serviço de Sua Majestade – Luís Richheimer de Sequeira
  • Esparguete à Carbonária – Alexandre Vieira
  • A noite das marionetas – João Seixas
  • A encenação – José Manuel Lopes
  • Rei sem coroa – Sérgio Sousa-Rodrigues
  • A rainha adormecida – Cristina Flora

O mapa do tempo

Autor: Félix J. Palma

Original: El mapa del tiempo – 2008

Editora: Planeta

Comentário: Após a publicação de “A máquina do tempo”, a sociedade londrina discute com entusiasmo as possibilidades das viagens no tempo.
É nesse contexto que o autor nos relata vários episódios que contam com a participação do próprio H. G. Wells.
Acção, romance e surpreendentes reviravoltas que nos remetem para os paradoxos causados pelas deslocações temporais.
Muito bom. Algumas divagações demasiado palavrosas e um ou outro desfecho pouco credível impedem a nota máxima.

A sorrir também se vence

Autora: Daphne du Maurier

Original: Rule Britannia – 1972

Editora: Livros do Brasil

Colecção: Dois Mundos

Número: 118

Comentário: Depois de um referendo que dita a saída da CEE, perante uma grave crise económica, o governo do Reino Unido decide formar uma união com os EUA.
Para uma família da Cornualha, a chegada dos fuzileiros americanos parece mais uma invasão do que uma união amigável. E depressa se assiste a uma escalada de violência.
Num cenário fictício, a autora consegue mostrar perfeitamente o que pode correr mal quando se fazem uniões contra a vontade dos povos. Como em muitos casos reais, lá aparecem os resistentes, os colaboracionistas e os indecisos.
A cereja no topo do bolo são algumas cenas hilariantes (que não disfarçam a tensão nem retiram o carácter sério da obra).

Regiana Magna

Organização: Marcelina Gama Leandro / Álvaro de Sousa Holstein

Prefácio: Ernesto Rodrigues

Contos:

  • Equinócio Setembrino na Boca do Inferno – Luís Corujo
  • Prodigium qui est in mare – Ricardo Dias
  • Encontro na cidade – Álvaro de Sousa Holstein
  • Umas férias incomuns – Marcelina Gama Leandro
  • Longe do mar – José Manuel Morais
  • Um facho a arder na noite escura – Jorge Palinhos
  • A escrivaninha – João Ventura

Comentário: José Régio é o protagonista em sete incursões na área do fantástico.

Marte espera-nos!

Autor: Louis G. Milk (Luis García Lecha)

Original: Marte esperanos – 1970

Editora: Edições Lito-Tipo (Luanda)

Colecção: Kizola

Número: 9

Comentário: Quando o piloto da primeira expedição a Marte regressa à Terra, uma nuvem tóxica dizima quase toda a humanidade. Perante tal cenário, terá de fazer o possível e o impossível para ir buscar os exploradores “encalhados” em Marte.
Acção e suspense com um enredo pouco credível e muitos disparates.